Notícias locais

22 de janeiro de 2019

Fabricantes de materiais terão ano positivo


Empresas esperam que melhora da economia e renda, além de novos investimentos em obras de infraestrutura e retomada do mercado imobiliário, deva impulsionar as vendas da indústria

A indústria de materiais de construção acredita que a retomada do emprego e maiores investimentos em infraestrutura e mercado imobiliário devem impulsionar o crescimento em 2019. No ano passado, o setor registrou o primeiro resultado positivo após três anos de queda no faturamento. “Nossa expectativa é de melhora na economia, redução do desemprego e aumento dos investimentos na construção civil”, afirma o gerente comercial da Stam Metalúrgica, Márcio Luiz Tavares.

Ele entende que esse movimento irá beneficiar as vendas do setor. A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) projeta avanço de 2% no faturamento do setor em 2019. O presidente da entidade, Rodrigo Navarro, explica que esse número pode ser revisado em função de variáveis política e econômica. “O resultado está sujeito a uma série de fatores como a aprovação da reforma da Previdência, expansão de programas habitacionais e retomada de obras paradas de infraestrutura. ”O dirigente destaca que o varejo, que vem sustentando o setor nos últimos anos, deve ser beneficiado pela melhora de renda das famílias.
Também é esperada uma recuperação mais consistente em imobiliário e infraestrutura, segmentos que sofreram muito durante a crise. “O novo governo sabe que um caminho rápido para gerar emprego, renda e movimentar a economia é retomar essas obras”, assinala.
O diretor superintendente do grupo Astra, Manoel Flores, conta que a empresa pode crescer pelo menos 10% neste ano, caso a previsão de incremento do PIB do País entre 2,5% a 3% se confirme. “Acredito que todas as área do setor devem voltar a crescer neste ano. Há intenção expressa do governo de conseguir mais recursos para obras por meio de maior abertura para investimentos da iniciativa privada.” Ele entende que programas habitacionais devem receber atenção do governo. “Existe uma demanda de habitação e projetos como o Minha Casa, Minha Vida devem ter espaço.
O governo anterior aumentou o financiamento para reforma, o que também ajuda a alavancar as vendas.”O diretor geral da Mexichem Brasil, Henio De Nicola, também revela expectativa positiva. “Esperamos que haja uma movimentação maior e que se consiga aprovar reformas essenciais para o País. Isso nos possibilitaria um crescimento de quatro a cinco vezes o projetado pelo setor”, explica. “Acreditamos que o mercado deverá ter desempenho positivo de cerca de 3% no ano, o que significa que teríamos um incremento de 12% a 15% do faturamento. ”Nicola também acredita que ações para combater o déficit habitacional deverão ser tomadas e destaca que existe uma procura por maior diálogo da gestão do presidente Jair Bolsonaro. “A plataforma do novo governo inclui destravar o mercado industrial, que vem encolhendo nos últimos anos, e a equipe econômica manifestou a intenção de ter um contato estreito com o setor.”
Recuperação
De acordo com dados da Abramat, o setor de materiais de construção fechou 2018 com crescimento de 1,2% do faturamento em relação ao ano anterior. Foi o primeiro resultado positivo após três anos de queda. “Em 2018, nós conseguimos um primeiro objetivo que foi consolidar a recuperação do setor e fechar com um número positivo”, afirma Navarro.
O levantamento da entidade mostra que o nível de emprego na indústria de materiais de construção também obteve crescimento. No período entre dezembro de 2017 a dezembro de 2018, houve alta de 1,7% no número de vagas de emprego entre os fabricantes do mercado na comparação com igual período anterior.

 

 

Fonte: DCI

Voltar para Notícias