Notícias locais

25 de fevereiro de 2021

Nota de repúdio FecomercioSP - Manifestações contra Sincomercio Bauru


A FecomercioSP publicou na terça-feira (23) nota de repúdio sobre as recentes manifestações condenáveis que ocorreram no Sindicato do Comércio Varejista de Bauru.

Publicada nos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Jornal da Cidade, de Bauru, a Entidade se solidariza ao sindicato filiado, condenando tais atos, que se contrapõem à democracia.

 

Entenda o caso 

 

O Sindicato do Comércio Varejista de Bauru (SP), o Sincomércio, registrou um boletim de ocorrência por dano ao patrimônio na manhã de sexta-feira (19) depois que a sede foi encontrada vandalizada.

De acordo com o BO, o assessor jurídico do Sincomércio chegou para trabalhar no prédio do sindicato e constatou que foi lançado contra o imóvel um galão de tinta da cor vermelha, que atingiu a vidraça da porta de entrada do prédio.

Além disso, ainda conforme o registro policial, o funcionário encontrou vários panfletos com os dizeres “contra a volta do comércio, pela preservação da vida”, “Suéllen [prefeita de Bauru] genocida e “contra o fascismo”.

O presidente do Sincomércio, Wallace Sampaio, informou que câmeras de segurança flagraram a ação dos vândalos e cedeu as imagens à Polícia Civil, que enviou perícia ao local e investiga o caso. Ele disse ainda que encaminhou o caso à Polícia Federal.

Segundo Walace, o Sincomércio acredita que, pelas mensagens passadas, o ato de vandalismo foi cometido por pessoas que são contra a posição do sindicato de abertura do comércio por causa da pandemia de coronavírus. No entanto, ele diz que aguarda a investigação policial.

O Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Bauru e região emitiu uma nota em repúdio ao ato de vandalismo na sede do Sincomércio. Segundo a nota, “esse tipo de protesto em nada ajuda na atual fase em que vivemos”.

Segundo o Sindicato, é preciso união para enfrentar a pandemia e sabedoria para a reabertura do comércio com protocolos que preservem a saúde de proprietários, funcionários e clientes.
Fonte: G1

Voltar para Notícias