Notícias locais

9 de março de 2020

Precisamos falar sobre sistemas de logística reversa


Cada produto pós-consumo tem um sistema próprio. Mas, na sua maioria, o papel do comércio é ceder de forma não onerosa espaço para o coletor

Por Cristiane Lima Cortez, assessora de sustentabilidade da FecomercioSP. Consultora nas áreas de gestão de resíduos sólidos, eficiência hídrica e energética. 

 

Comerciantes, distribuidores, fabricantes e importadores têm a obrigação de criar e manter sistemas de logística reversa para vários produtos pós-consumo, por conterem substâncias que necessitam de tratamento especial ou pela grande quantidade e baixa reciclabilidade de certos tipos de embalagens.

O Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP vem trabalhando com representantes de fabricantes, importadores e do setor público no desenho de sistemas de logística reversa exequíveis, a fim de que os empresários comerciantes e distribuidores possam cumprir suas obrigações com menor custo e impacto na operação.

Esses sistemas de logística reversa incluem comunicação com a sociedade, coleta, armazenamento, transporte, destinação final ambientalmente adequada (reciclagem sempre que possível) e disposição final dos rejeitos, independentemente do sistema público de coleta de resíduos (se for usado, deve ser remunerado).

 

Ponto de entrega

Cada produto pós-consumo tem um sistema próprio com particularidades. Entretanto, na sua maioria, o papel do comércio é ceder de forma não onerosa espaço para a instalação de coletor, fazer a gestão do ponto de entrega e divulgar o sistema para os consumidores.

O consumidor consciente que conhece sua obrigação de separar esses produtos e não dispor à coleta municipal, ao escolher uma loja para realizar suas compras, certamente prefere aquela que tem ponto de entrega para descartar seus produtos pós-consumo com conforto e segurança.

Para alguns produtos pós-consumo, todo comércio que vende é obrigado a ser ponto de entrega, por exemplo, de pilhas e baterias. No caso de pneus, baterias, óleo lubrificante automotivo e seus filtros e embalagens, o dever recai para o estabelecimento que faz a instalação. Para todos os demais, metas quantitativas baseadas no tamanho da população definem a quantidade de pontos por município. Alguns sistemas devem ter pontos de entrega em todos as cidades; em outros, as menos populosas são atendidas por campanhas itinerantes.

Plataforma

Para dirimir as dúvidas dos empresários, a Fecomercio SP mantém uma plataforma de Logística Reversa com informações de como aderir a sistemas coletivos de logística reversa. Os consumidores também acessam os endereços dos pontos de entrega, os produtos que são recebidos, entre outras informações.

No Estado de São Paulo, os produtos pós-consumo sujeitos a logística reversa são embalagens de agrotóxicos, lâmpadas, medicamentos, óleos lubrificantes usados ou contaminados e suas embalagens, filtro de óleo lubrificante automotivo, óleo comestível, pilhas e baterias, baterias automotivas, pneus, produtos eletroeletrônicos, embalagens de tinta com filme seco e embalagens em geral – particularmente de alimentos, bebidas, produtos de higiene pessoal, perfumaria, cosméticos, produtos de limpeza e afins.

Concessão

Ainda, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), órgão ambiental paulista, condicionou a concessão ou a renovação de licença de operação das empresas à participação em sistema de logística reversa devidamente aprovada. Alguns municípios também vêm estudando a liberação de alvará de funcionamento apenas para empresas que participarem de sistema de logística reversa.

Nesse sentido, é importante aderir o mais rápido possível a um sistema de logística reversa. Entre leis, decretos, resoluções, acordos setoriais e temos de compromisso, que ditam regras, responsabilidades e procedimentos para o sistema, o empresário do comércio pode ter a FecomercioSP como sua fonte de informações.

Assim, contribuir para a manutenção do meio ambiente equilibrado é dever de toda a sociedade. Na logística reversa, a FecomercioSP orienta, as empresas aderem e os consumidores separam os diversos tipos de resíduos e levam aos pontos de entrega.

 

Crédito da foto: Divulgação/ FecomercioSP

 

 

Voltar para Notícias