Notícias locais

3 de julho de 2018

Trabalhar de casa pode ser uma ótima opção durante a Copa do Mundo


O home office, como também é conhecido, tem ganhado cada vez mais adeptos no Brasil, principalmente quando eventos internacionais, como a Copa do Mundo, mudam a rotina da população.

 

Quem não gostaria de trabalhar de casa? Pelo visto, poucas pessoas. Uma pesquisa realizada pela Randstad, no primeiro trimestre deste anos, mostra que 90% dos brasileiros preferem um modelo mais flexível de trabalho, com possibilidade de desenvolver suas tarefas fora do escritório. O home office, como também é conhecido, tem ganhado cada vez mais adeptos no Brasil, principalmente quando eventos internacionais, como a Copa do Mundo, mudam a rotina da população.

– Com a proximidade da Copa, muitas empresas estão optando por liberar parte dos seus colaboradores para trabalhar remotamente, aliando a paixão pelo futebol ao foco no atendimento ao cliente. Afinal, o evento mundial passa rápido e a imagem da empresa não pode ficar fragilizada – lembra a especialista em recrutamento e seleção da Fundação Mudes, Sueli Fernandes.

Mas para trabalhar de casa é preciso redobrar a atenção. Por isso, Sueli destaca que, para quem pratica o home office, é necessário ter cuidado principalmente com o aproveitamento do tempo, pois um bom trabalho remoto só será possível com uma grande dose de planejamento e disciplina.

– Muitos pensam que poderão fazer tudo o que têm vontade e trabalhar no tempinho que sobrar. Não é bem assim! Para essa modalidade, é preciso ter cuidados, apesar de parecer a melhor coisa do mundo, como, por exemplo, estar altamente motivado, ter um alto nível de profissionalismo e estabelecer algumas regras para que não seja interrompido com as ocorrências domésticas o tempo todo – explica.
Apesar de redobrar o foco no trabalho, Sueli destaca que, com o home-office, a pessoa ganha em qualidade de vida, pois se livra do estress do trânsito, das filas dos restaurantes, passa a ter uma alimentação mais saudável e, principalmente, um aumento considerável de independência.

Reforma Trabalhista garante direitos aos funcionários
Segundo Gilberto Stürmer, coordenador da pós-graduação em Novo Direito do Trabalho da PUC-RS, o home office caracteriza-se pela prestação de serviços fora das dependências da empresa, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que e que não se constituem como trabalho externo.

– A modalidade deve constar expressamente do contrato individual de trabalho, que especificará as atividades que serão realizadas pelo empregado. O comparecimento às dependências do empregador para a realização de atividades específicas que exijam a presença do empregado no estabelecimento não descaracteriza o regime de home office.

O advogado lembra ainda que alguns direitos previstos na Reforma Trabalhista são mantidos.

– Os direitos do empregado que trabalha remotamente são os mesmos do empregado que exerce as suas funções dentro da empresa, tais como salário, previdência, férias, gratificação natalina, FGTS, entre outros. Por outro lado, por determinação do artigo 62, inciso III, da CLT, instituído pela Lei nº 13.467/2017, os empregados em regime de home office não registram o horário e não têm direito a horas extras.

Veja cinco dicas para garantir a alta performance mesmo com uma dose de liberdade a mais:
1. Reserve um lugar para executar as suas tarefas como se fosse o seu escritório, com todas as ferramentas disponíveis que incluem uma boa internet.

2. Estabeleça um horário para trabalhar, o que muitas vezes é determinado pela empresa. Nessa carga horária deve estar incluída a pausa para almoço.

3. Vista-se adequadamente como se fosse sair para trabalhar. Ficar de pijama induz a mente a não reconhecer a sua atividade laboral.
4. Envolva a sua família nessa rotina. A sua presença não significa que está à disposição para resolver todo e qualquer problema doméstico.

5. Vença as distrações com os filmes da tarde, as séries, as redes sociais e tudo mais que podem tirar você do foco nas tarefas que estão sob sua responsabilidade.

Voltar para Notícias