Notícias

13 de novembro de 2013

Demagogia e má fé


Não há como supor que exista alguma competência do PT, a não ser a demagogia, populismo e a desonestidade em seu espectro mais amplo.

Na administração municipal de São Paulo, já demonstrou isso de forma cabal em versões anteriores, e agora sendo alçado novamente ao executivo municipal, não porque tenha vencido as eleições, mas essencialmente porque seu oponente perdeu.

Haddad teve 3.387.120 votos; Serra 2.708.768 votos; abstenções, nulos e brancos 2.522.682. Assim a maioria dos paulistanos (5.231.450) disse não a Haddad só que não se expressou pela via mais adequada e permitiu que o “poste” assumisse a maior cidade do continente, ainda que derrotado pela população, que pagará por isso nos próximos dez ou vinte anos.

Fosse um poste estrito senso seria menos nocivo, é pior uma má administração do que a falta da administração.Seus primeiros passos já denotam o despreparo para a gestão. Ao não reajustar as tarifas de ônibus, eleva o subsidio da prefeitura para algo em torno de dois bilhões de reais, em uma atitude populista e inconsequente.

 A seguir veio a solução mágica de pintar faixas de ônibus por toda a cidade, sem levar em consideração a estrutura viária, a ponto de usar pequenos trechos de 200 a 300 metros como faixa exclusiva, dando a entender que se está solucionando o problema do transporte público.

Há que salientar-se que uma cidade pode e deve priorizar o transporte público sem, porém esquecer que os demais meios também merecem atenção e não devem ser estigmatizados. Afinal, a cidade é de todos e todos devem ter o mesmo tratamento. De outro lado em nenhum momento se cogita em fazer um estudo do sistema público de transporte, que em minha convicção é anacrônico, ineficiente.

É só andar pela cidade e verificar o amontoado de ônibus que trafegam sem critério. Um sistema de transporte supõe lógica, engenharia para que tenha eficiência e eficácia. A seguir propõe um aumento absurdo do IPTU, valendo-se de uma suposta valorização imobiliária. Ora valoração de um bem não se constitui em renda do possuidor a não ser que este realize a valorização mediante a venda do bem.

Por outro ângulo usa-se o velho estratagema socialista em alegar que os ricos arcarão com o aumento; umas mentiras deslavadas própria dos socialistas que socializam a pobreza, como já provaram ao mundo. Não existe tributo que não permeie a economia como um todo, e por consequência toda a sociedade arca com ele, direta ou indiretamente dizer ao contrario é pura demagogia e má fé.