Notícias

9 de maio de 2018

Justiça para todos


 

Desde a infância ouvi que a Lei é para todos; ninguém está acima da Lei; A lei é para ser cumprida.

Ora se a Lei é para todos, não poderia ter tantas interpretações, pois se cada um tem um entendimento do que a lei isso determina que ela não é para todos, ou seja, cada qual poderá cumpri-la ante ao seu entendimento.

A questão imposta ao ex-presidente, que demorou 48 horas para cumprir a determinação Judicial, nos traz a memória de importantes fatos que ocorreram antes e durante o seu governo.

Vale lembrar que a maioria dos integrantes do governo e do partido do ex-presidente, encabeçaram a luta armada contra o período de governo Militar, nesse processo imperaram também os assaltos a bancos visando munir os revolucionários de recursos para implementação de suas intenções em impor o regime comunista no Brasil, a ditadura do proletariado, onde os chefes são capitalistas e o povo é submetido ao socialismo. Não obtiveram êxito no intento.

Restabelecido o sistema eleitoral, fundaram um partido político e passaram a capitanear movimentos sociais e ambientalistas, visando a promoção do partido e seus integrantes.

Ao chegarem ao poder, buscaram estabelecer vários conflitos sociais, visando a famigerada “luta de classes”, estabeleceram fontes de recursos ilícitos para financiamento dos chamados movimentos sociais, dos partidos políticos e autoridades, afim de angariar apoio e sustentabilidade para a perpetuação no poder. Recursos também foram destinados a outras nações governadas pelos apoiadores do sistema comunista, visando cooptar essas nações para apoio final quando implantado ostensivamente o sistema socialista. Muitos dos chamados movimentos sociais foram muito bem armados, além do incentivo as facções criminosas que se expandiram assustadoramente durante esse período, visando efetivamente constituírem-se em exército particular e gerarem um meio de intervenção final sobre a Democracia, ante ao clamor popular sobre a insegurança reinante.

Durante o decorrer do seu julgamento, o ex-presidente fazia discursos inflamados e convocava seus militantes a resistirem à sua condenação. O que seria resistir a sua condenação?

Fica absolutamente claro que as 48 horas em que o ex-presidente passou afrontando o cumprimento da decisão Judicial, no Sindicato, o que se buscava era uma motivação para um confronto feroz entre a milícia petista e a justiça, se possível com algumas mortes, para dar inicio a uma nova luta armada, desta vez com apoio de exércitos estrangeiros que se integrariam as milícias petistas para implantar definitivamente o regime comunista no Brasil, sempre obviamente no discurso falando em “Democracia”, palavra essa muito utilizada mas que não consta do dicionário socialista, comunista.

Um governo que desperdiçou R$ 229.412.000.000,00, deixou o país em concordata, mas não faliu, nos dá a dimensão do que um governo sério pode sem sombra de dúvidas elevar nossa posição econômica e social a concorrer com a maiores nações do mundo

Sabiamente com informações, dos órgãos de inteligência, a justiça foi amplamente suave e articulada no cumprimento da decisão Judicial, evitando o mote do confronto que já deveria estar organizado.

Cabe ao Brasil agora entender o envolvimento de outras autoridades nessa trama, e decidir efetivamente com bom senso e serenidade qual é o Brasil que desejamos e escolher com discernimento os políticos que iremos eleger para a construção de um país prospero soberano e efetivamente democrático e sem fantasias. Esse “pênalti” quem irá bater é o cidadão brasileiro nas ruas e nas urnas.