Notícias

15 de setembro de 2017

Uma nação religiosa


Quem assistiu ao noticiário vendo o empresário Joesley Batista sendo preso com um Terço nas mãos, por certo se perguntou: e os outros dois terços com quem ficaram?O Brasil é um pais muito religioso e assim todos querem um 1/3 de tudo, a começar pelo governo que toma 1/3 em impostos e taxas de tudo o que produzimos.

Não há grande novidade no sistema que foi transformado em um caixão usado  para enterrar o país em um lodo fecal, isso porque sempre desconfiamos dos políticos e sempre soubemos das caixinhas. O PMDB há anos se coloca como coadjuvante no processo político, sendo muito estranho que um grande partido não postule o cargo maior da república, mas apenas fique como guardião político dos interesses do governo de plantão, seja ele qual for. Esse método leva seus membros a ocuparem postos relevantes e fazer indicações para cargos no governo, empresas públicas e autarquias.

Essa postura remete a conclusão de que essa ocupação propicia vantagens devidas e indevidas aos partidos e seus membros.

Sendo essa uma prática de décadas, o Lulopetismo, com larga experiência em anos de conchavos pouco éticos com a indústria do ABC paulista, ao chegar ao poder optou por ampliar os métodos e benefícios financeiros, visando alcançar seus propósitos de perpetuação no poder e, para isso, foi necessário ampliar a capacidade financeira do partido e dos chamados movimentos sociais e sindicais, através de apoio tácito e da promoção da tão acalentada “luta de classes”, que em momento oportuno daria ao governante o ensejo do golpe salvador da Pátria, instalando o socialismo bolivariano ou cubano no Brasil.

Esse projeto por certo não seria construído somente pelo PT e seus conexos, mas enquanto houvesse um Congresso Nacional seria necessário construir uma expressiva maioria para validar seus propósitos e a maneira encontrada foi encher os bolsos dos partidos políticos,  seus integrantes, “movimentos sociais” e centrais sindicais. Vale lembrar que o governo Lula destinou dinheiro público para as Centrais Sindicais, cuja a existência não consta do Sistema Sindical Brasileiro e da Lei que o criou. O sistema Sindical Brasileiro é o sistema Confederativo da Representação Sindical, ou seja, Sindicatos que representem setores econômicos e profissionais, Federações Estaduais e Confederações Nacionais. Assim inexiste a figura das Centrais Sindicais.

Buscou cooptar países como Cuba, Venezuela e outros de viés socialista, despejando os vultuosos recursos públicos tão escassos e tão reclamados pelos movimentos sociais, mas, sem que esses manifestassem nenhuma indignação, com a destinação inadequada dos escassos recursos públicos, visando constituir o apoio deles a consecução do projeto político e a obtenção da liderança do bloco.

Este método revolucionário de tomada do poder pela corrupção dos agentes públicos e privados, em substituição aos métodos revolucionários tradicionais já intentados pelo PT e seus coadjuvantes, sem êxito, traria menor percepção e reação da sociedade até ser finalmente implantado e aí somente uma guerra civil poderia reverter o sistema instalado e consolidado, para o que de início já promoveram o desarmamento civil.

Por sorte não conseguiram minar algumas instituições as quais não dependem de indicação política, como a Polícia Federal, o Ministério Público e o Judiciário, principalmente no primeiro e segundo grau, e aí um grande brasileiro chamado Sergio Moro deu aval e prosseguimento a investigações levadas a efeito pela Polícia Federal e o MPF e colocou em cheque o então governo petista e em choque toda a classe política.

Desmantelada a quadrilha comandada por Lula e o PT, mas da qual participam a maioria dos partidos políticos e seus membros, já temos um terço na cadeia restando ainda dois terços.

Só nos cabe crer que a justiça será nosso Pastor e a todos encarcerará!!